segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Art Metal Quinteto - Da Renascença ao Jazz

  1. Rondeau (From Suite de Symphonies)
  2. Trompet Voluntary
  3. Canzone der Sonare nº 4
  4. My Spirit Be Joyfull (From Cantata BWV, 146)
  5. Divertimentos Folclóricos
  6. Brejeiro - Odeon
  7. Cantos Nordestinos
  8. Choros Nº 1
  9. Suite para Metais
  10. Snap
  11. Introdução e Fanfarra
  12. Polka (From the Golden Age)
  13. Suite For Brass
  14. Mood Indigo
  15. The Easy Winners
  16. Another Cat: Kraken
O som dos metais parece ter vindo do fundo dos tempos - clarins guerreiros, trompas de caça, charamelas e trombetas abrilhantando as ocasiões solenes da Idade Média. De toda essa herança imemorial foram-se filtrando os instrumentos modernos, através de um processo de aperfeiçoamento contínuo. e o resultado final dessa história é o que se pode ouvir nesse colorido programa do quinteto Art Metal.

A viagem, aqui, é longa, mas sem chegar a antiguidades medievais, já que os integrantes do quinteto (membros da Orquestra Sinfônica Brasileira) trabalham com os instrumentos de hoje, ligados às eras "clássicas" da música. Mesmo assim, o 'Rondeau' de Jean-Joseph Mouret que abre o programa, ainda traz o eco de uma antiga música cerimonial. É como uma fanfarra, correspondendo, aqui, ao início do século XVIII; e a peça preserva a alegria e a vibração associadas a esse tipo de manifestação musical. Contemporâneo de Mouret, e da mesma natureza, é o famoso 'Trumpet Voluntary', de Jeremiah Clarke.

Com a 'Canzone per sonare nº 4', de Giovanni Gabrieli, recuamos mais de cem anos, até o esplendor bizantino da catedral de São Marcos, em Veneza, quando Gabrieli era, ali, o mestre da capela. É uma polifonia suntuosa, correspondendo à dignidade daquela Veneza dos tempos dos doges, senhora dos mares. Segue-se um trecho vibrante, em estilo de Bourrée, extraído da cantata BWV 146, de Bach.

Com Bach, despedimo-nos dos séculos passados e caímos em plena música brasileira, com o 'Divertimento folclórico nº 1', de Raphael Baptista. É obra revelando a temática característica de um músico que sempre batalhou muito pelas nossas raízes musicais; peça alegre, que chega a evocar uma quermesse, e que joga com a "Ciranda, cirandinha". Ernesto Nazareth comparece, a seguir, com arranjos de duas peças mais que famosas: 'Brejeiro' e 'Odeon'.

Uma outra incursão pelo folclore é a dos 'Cantos Nordestinos' de Gilberto Gagliardi. A simples escala utilizada, e os jogos de terças, já nos projetam para o universo nordestino. A peça transcorre em clima de forró, momentos plangentes temperando a sua jocosidade.

Voltamos às transcrições com os 'Choros nº 1' de Villa-Lobos, escrito originalmente para violão, e a homenagem mais direta feita pelo grande compositor brasileiro ao mundo dos "chorões", onde ele encontraria tanta matéria musical. A 'Suíte' de Amaral Vieira, em quatro movimentos curtos, merece atenção especial, vinda de um compositor jovem e fecundo. Na sua linguagem desenvolta, ela é também uma referência a épocas passadas (uma das características de toda a obra de Amaral Vieira), com a tranquilidade de 'Canzone' e o ímpeto da 'Tocata', que se apresenta num só jorro.

'Snap', de Harold Emert, é o trabalho de um especialista em sopros, e utiliza habilmente os contratempos, além de um trabalho tímbrico que chega a criar uma atmosfera impressionista. Quase se pode ver, nessa peça sutil, névoas da manhã esgarçadas pelos arranha-céus de Nova York. 'Introduction and fanfarre', de Daniel Havens, é a outra peça altamente idiomática, com um forte sentido rítmico. A 'Polka' de 'The golden age', em arranjo de San Filippo, traz a presença de Shostakovich em sua linguagem característica - irônico, sarcástico, lírico, sem fugir às dimensões do gênero. A 'Suite for brass', de Sherson e McDunn, é outro pastiche de uma estrutura antiga; mas na sua leveza e bom-humor pode-se ler, com num livro aberto, a imensa contribuição da música americana à literatura dos sopros. O 'Pot-pourri', sobretudo, escancara a veia jazzística, num balanço forte que dá interessantes possibilidades a cada um dos timbres.

Segue-se o clássico 'Mood Indigo', de duke Ellington, tranquila meditação de um dos príncipes do jazz, e uma animada polca de Scott Joplin - 'The easy winners'. 'Another cat: Kraken', de Chris Hazell, é o bem-humorado fecho do programa, com o umpa-umpa característico da música mais popular para sopros.

(Luiz Paulo Horta, das notas originais)

Da Renascença Ao Jazz

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...